PUBLICIDADE
Topo

O verde, o consciente e o decrescimento

ECOA

23/02/2020 04h00

Parei pra pensar esses dias na diferença de consumo verde e consumo consciente. Não acho que seja lá um vocabulário todo comum, pelo menos pra mim não é, e fiquei aqui pensando nos nomes e significados.

Entendi que consumo verde, como o próprio nome diz, é o mesmo consumo que a gente está habituado, só que verde. Isso quer dizer que compramos as mesmas coisas, mas apenas produtos que agridam menos o meio ambiente. Então entram no balaio: orgânicos, recicláveis, biodegradáveis e todo esse pessoal… 

Consumo consciente, por sua vez, propõe uma mudança na maneira como consumimos. Tá, você vai me dizer que mesmo o consumo verde também muda a maneira como consumimos, porque não é fácil encontrar produtos verdes e tem aqueles que nem nunca conseguimos encontrar na modalidade verde. E eu vou te dar razão.

Mas, no caso do consumo consciente, a ideia é que você só compre o necessário, que não sucumba à tentação do supérfluo e da fartura. O consumo consciente é um pouco amigo do pessoal que fala em23. Slow, em inglês quer dizer devagar; consumption, consumo. Reluto um pouco com palavras em inglês mas a ideia desse movimento me parece interessante, pois propõe que desaceleremos nosso ritmo de vida. Então, vamos comer com calma, vamos consumir com calma, vamos levar a vida com mais calma. 

Meu pai diz que tem livros que te dão tudo que você precisa saber no título. Diz ele que, às vezes, só de ler aquele título tudo já faz um sentido louco. Tem um que se chama "Pequeno tratado do decrescimento sereno", que me deu um nome para um caminho que acho meio inevitável: de diminuição do consumo. Mas nesse caso, achei que valia pegar a mensagem toda além do título. 

Eis que ele é mesmo um tratado, com uma espécie de compromissos a serem assumidos, para quem acredita que a vida deva ser reduzida. Não reduzida no sentido de que você vai ficar lá quietinho e não vai mais fazer nada, mas no de que o necessário também pode te fazer feliz. Porque o mundo do compra-usa-descarta que vivemos, faz a gente sempre querer mais. O mundo do "descrescimento" faz a gente encontrar satisfação em lugares diferentes desse de sempre ter que ter mais. 

"A palavra de ordem 'decrescimento' tem como principal meta enfatizar fortemente o abandono do objetivo do crescimento ilimitado, objetivo cujo motor não é outro senão a busca do lucro por parte dos detentores de capital, com consequências desastrosas para o meio ambiente e portanto para a humanidade." *

Apesar dos nomes serem diferentes, tem muito de consumo consciente no decrescimento sereno, pois ambos querem repensar e modificar a maneira como consumimos. Tem inclusive R's no decrescimento (como no consumo consciente)! Tem oito R's iniciais, mas a lista deles está aberta para quem quiser contribuir. Reavaliar, reconceituar, reestruturar, redistribuir, relocalizar, reinventar, redimensionar, remodelar, renunciar e repensar são alguns deles. Nossos conhecidos "reduzir, reutilizar, reciclar" também integram essa lista. 

Desde que comecei a escrever esta coluna, tenho ficado mais atenta ao que compro. Estou aqui ainda tentando não virar alguém que não consegue mais conviver com todas as coisas que percebo como "desajustadas" no mundo, mas tenho conseguido ampliar a gama de coisas que faço sem me podar muito a vida, e que acho que colaboram. Nunca mais comprei nada que tivesse isopor, por exemplo. E tenho conseguido reduzir bastante a quantidade de embalagens desnecessárias que consumia.

Continuo oscilando em achar que mudaremos o mundo com passos de formiga e achar que não faz diferença mesmo. Mas a primeira opção sempre vence a segunda, talvez não tão heroicamente ou ambiciosamente… Mas, cá estou eu, mais um domingo escrevendo sobre tudo isso, na crença de que um dê a mão para o outro (consumindo verde, consciente ou "descrescendo"…) e que uma hora a mudança aconteça. 

* Retirei esse trecho de lá do Pequeno Tratado do decrescimento sereno (Serge Latouche, Editora WMF Martins Fontes, 2009)

Sobre a Autora

Lia Assumpção é designer, mestre em Arquitetura e Design pela FAU-USP, curiosa dos assuntos relacionados a consumo e sustentabilidade.

Sobre o Blog

Este blog é sobre consumo consciente porque nem tudo que é reciclável é reciclado. É escrito por uma designer, inquieta com a maneira como consumimos e descartamos coisas e crédula de que só uma iniciativa compartilhada entre indústria, poder público e consumidores conscientes pode alterar a lógica consumo-descarte vigente. A ideia aqui é falar sobre atitudes cotidianas, tentando um meio a meio entre reflexões e soluções práticas.

Lia Assumpção